Não acontece só aos outros


Já passaram 5 dias e ainda me sinto diferente.


Estou bem, não sofri nenhuma mazela grave, mas ainda sinto um nervoso miudinho quando pego num carro para o conduzir.
Achamos que só acontece aos outros. Porque são irresponsáveis. Porque vão a alta velocidade. Porque vão a falar ao telemóvel ou a enviar mensagens. Porque vão distraídos.


Não acontece só aos outros!

O meu carro entrou em despiste sem que eu saiba porquê. Ia dentro do limite de velocidade do local. Ia atenta à condução. Não tinha bateria no telemóvel. Não reparei se havia óleo ou água na estrada. É provável, esteve a chover naquele dia. Não sei se algum dos pneus traseiros rebentou.

O que eu sei é que entrei numa via rápida em pião. Perdi todo o controle do meu carro. Deu dois piões antes de acertar em cheio de traseira no separador central, de cimento. Naqueles 30 segundos, só pensei que não ia acabar bem. Só pensei, ainda bem que os meus filhos hoje não estão comigo. Só pensei, aquele jipe vai bater no meu carro... 


O carro parou e eu estava bem, apesar da dor de cabeça por ter batido no banco e na janela. 
Em poucos segundos pararam dois carros para verificar se eu estava bem. O senhor ligou para o 112 e a senhora, a Sofia, emprestou-me o telemóvel para ligar aos meus pais. O meu marido estava fora do país, nada podia fazer para me ajudar. 
A Sofia não me deixou sair do carro até chegarem os bombeiros. Colocou o triângulo do carro dela. Deu-me a mão. Pôs a sua rotina em pausa até chegarem os bombeiros. 

Os bombeiros tiraram-me do carro, não me deixaram sair pelo próprio pé, todo um aparato por precaução. Felizmente, no hospital deram-me alta depois de verem que tudo estava bem. 

Estou grata por ter sido assim. Grata por não ter os meus filhos comigo naquela tarde. Grata por ter sido às três da tarde e não às seis. Grata por existir a Sofia.


Sempre tive cuidado com a minha condução. Em 18 anos só tinha batido uma vez, um toquezinho como lhe chamamos normalmente. 
Como já me disseram, acontece. Sim, é verdade que acontece. Mas não deixa de ser um grande susto, e não deixo de pensar "caramba, como tive sorte! e ainda bem que o meu acidente não provocou nenhum outro"


Com este relato só vos peço, tenham cuidado na estrada. Qualquer mínima distração (que não foi o caso) pode provocar um acidente e afetar a vida de mais alguém além da vossa!

Estou tão grata!

Beijo

Comentários

  1. Rita 😳... Não ganhaste para o susto... E imagino os teus pais! Ainda bem que estás bem Beijinhos mil

    ResponderEliminar
  2. Não quero imaginar o susto :/ tenho um medo gigante. Ainda bem que tudo está bem. Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É incrível como tudo pode mudar em segundos! Felizmente eu estou bem, mas dá que pensar.
      Obrigada!

      Eliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares